Seguidores

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Teatro - Campanha da Fraternidade 2012


Olá turminha de Deus e que gostam de teatro!

O  texto teatral abaixo é do Escritor Emílio Carlos serve  para ser encenado na Missa com jovens e adultos.
O texto fala sobre o tema da CF 2012.
Espero que você goste e encene na sua paróquia.

Paz de Cristo!

O Médico que queria ser jogador de Futebol

Texto teatral CF 2012 -
 de Emílio Carlos


(Sugestão: o narrador ser meio caipira, meio contador de causos)

NARRADOR – Olá. Tudo bem? Hoje eu quero contar pra vocês a história do Marquinhos. O Marquinhos morava no meu bairro. Quando a gente era criança às vezes jogávamos bola num campinho que tinha ali – onde agora tem aquele prédio alto.
O Marquinhos queria ser jogador de futebol. Mas... posso falar a verdade? Ele não tinha o menor jeito pra coisa. Nunca marcava um gol.
Bom, teve uma vez que ele até marcou um gol. Mas foi gol contra. O Marquinhos sempre perdia as bolas que eu passava pra ele. E às vezes até... pisava na bola.
O Marquinhos é filho do Dr. Eliseu, um médico muito bom que fez fama na cidade. O Dr. Eliseu era bom mesmo. Ele olhava pra você e dizia
assim: - Olha, tem que tirar o apêndice. Batata! Podia contar que tinha que tirar mesmo. O que ele dizia era tiro e queda. Pra fazer cirurgia não tinha outro. O Dr. Eliseu fazia cada cirurgia complicada – mas no final tudo dava certo. O povo dizia que o Dr. Eliseu tinha as mãos abençoadas por Deus.
Pois é: um dia o Dr. Eliseu chamou o Marquinhos pra uma conversa de homem pra homem. “Ô Marquinhos” - disse o Dr. Eliseu com aquela voz grossa dele - “já está tudo resolvido, viu? Você vai ser médico”.
O Marquinhos não se conformou. E disse: “Mas pai: eu queria ser jogador de futebol”.
Deixe de besteiras, meu filho. – disse o Dr. Eliseu – Você vai ser médico.
O Marquinhos não gostou disso não. Chorou, emburrou, chiou – baixinho, senão levava um no meio do pé da orelha – e não gostou. Mas... fazer o que? Pra jogador de futebol ele não dava mesmo. E o pai já tinha percebido isso.
O tempo passou, o Marquinhos cresceu e foi fazer faculdade de medicina em outra cidade. Com toda mordomia, hein? Carro novo, casa alugada, comida em restaurante, tudo, tudo, tudo. O Dr. Eliseu pagava tudo pra ele. Ah: e ainda dava 2 mil reais de mesada pro Marquinhos.
Gente: o Marquinhos tava com tudo no balaio. E ele aproveitava, viu?
Mas não pense que ele aproveitava pra estudar não, viu? Ele aproveitava que estava longe do pai e matava aula, bebia, namorava a mulherada... o Marquinhos era de entortar o cano, rapaz!
Tá certo: ele era inteligente. Mas matava aula direto – e daí ele colava. Você já pensou um negócio desses? Colar na faculdade? E ainda por cima colar na faculdade de medicina!? O que que ele aprendia? Já pensou o Marquinhos formado médico? Ia pegar um paciente pra operar aqui o apêndice e zip! Cortava a perna do cara. Ah, você ri, né? Isso porque não é a sua perna, rapaz. (ri) Pensa o que?
Um dia aconteceu: um professor da faculdade pegou o Marquinhos no pulo! Pegou ele colando! Gente: o Marquinhos suou frio. Ficou branquinho, branquinho assim que nem roupa de médico, né? Quase que ele repetiu de ano. E daí resolveu estudar.
O Marquinhos estudou tanto que aprendeu, viu? Pode ficar tranquilo que agora ele não corta sua perna mais, viu? O Marquinhos aprendeu – porém ainda não gostava de medicina. E sabe o que é interessante: é que ele levava jeito pra coisa.
Mas o Marquinhos ficava naquele sonho perdido da infância. Ficava naquela de ser jogador de futebol que não acerta a bola, só faz gol contra, um caso sério. E fazia a medicina de má vontade.
Depois de muito estudar o Marquinhos se formou médico. E virou o Dr.
Marcos. Olha ele aí.


(entra Marcos com jaleco branco e estetoscópio. Do outro lado entram 2 pessoas doentes: um senhor e uma senhora humildes).

NARRADOR – Olha aí os doentes precisando do Dr. Marcos.

SENHOR – Doutor: eu estou com dor.

MARCOS – (com má vontade) Todo mundo tem uma dor...

SENHOR – Eu estou com dor nas costas.

MARCOS – (escrevendo num bloco de notas) Sei... Está aqui a receita.

SENHOR – Doutor: o senhor não vai nem me examinar?

MARCOS – Pra que?

SENHOR – Pra saber o que eu tenho.

MARCOS – Eu sei o que o senhor tem: velhice. Próximo.

(o senhor sai e a senhora se aproxima).

SENHORA – Bom dia, doutor.

MARCOS – Bom dia? Onde?

SENHORA – Eu vim falar com o senhor porque...

MARCOS - ...está com dor.

SENHORA – É.

MARCOS – Eu sabia.

SENHORA – Eu tenho muita dor de...

MARCOS – Sabe: quem está com dor agora sou eu.

SENHORA – O senhor?

MARCOS – É. Dor de cabeça de tanto ver dor.

SENHORA – Mas não foi pra isso que o senhor estudou?

MARCOS – Não. Quer dizer, foi. Ah, eu não sei o que eu estou fazendo aqui? (joga o bloco de notas e a caneta e sai)

SENHORA – (vai atrás dele) Doutor... doutor...

NARRADOR – É, gente: esse é o Dr. Marcos. Ele ganha dinheiro, mas é infeliz. E é infeliz todo dia – não é só hoje não é só hoje não. O sonho de ser jogador de futebol já tinha passado faz tempo. Também com aquela barriguinha dele.. aquele jogador tinha metade dessa barriga e caiu fora.
O Dr. Marcos era infeliz. Olha: eu não conheço ninguém mais infeliz do que ele. Seu único consolo era quando ele dormia. Dormia e não sonhava com nada.

(Marcos entra, se deita e se cobre com o lençol).

NARRADOR – Era um homem sem sonhos, que não se encontrou, que não sabia quem era, que não sabia porque estava aqui. E toda noite era
assim: ele deitava e apagava. Mas nessa noite foi diferente.

(Música. Luz forte em Jesus que entra e vai até Marcos).

JESUS – Marcos.

MARCOS – (se vira na cama)

JESUS – Marcos.

MARCOS – (acorda) O que é?

JESUS – Eu lhe dei um dom, Marcos.

MARCOS – (vê Jesus) O que?

JESUS – Eu lhe dei um dom, Marcos.

MARCOS – (sem entender) Um dom?

JESUS – É, Marcos. Eu lhe dei o dom de curar. O que você está fazendo com ele.

MARCOS – (sem jeito) Bem, eu...

JESUS – Marcos: você está desprezando o dom que eu lhe dei.

MARCOS – (abaixa a cabeça, envergonhado. Coloca o travesseiro na cabeça e chora) Perdão, senhor.

(Jesus sai de cena, mas Marcos não percebe)

MARCOS – Perdão, senhor! (chora, levanta e saiu andando com passos incertos e emocionados) Perdão... Perdão...

(a música ainda soa mais um pouco e depois para).

NARRADOR – Jesus tinha lhe dado o dom de curar. E agora Marcos tinha percebido isso. Essa era a sua missão. Foi o que o Marcos percebeu naquela noite. Ninguém sabe dizer se foi um sonho ou se foi real. Mas uma coisa eu sei dizer: o Marcos mudou da água pro vinho. Ele se transformou. Olha ele agora.

(de um lado entra Marcos, e de outro lado entram o mesmo senhor e a mesma senhora).

MARCOS – (educado e gentil) Quem é o primeiro?

SENHORA – Sou eu, doutor.

MARCOS – Bom dia, dona Romina! Em que posso lhe ajudar hoje?

SENHORA – É aquela dor, doutor. Está doendo mesmo.

MARCOS – Calma, dona Romina. Nós vamos resolver isso num instante.

SENHORA – Obrigada, doutor.

NARRADOR – É: o Marcos mudou mesmo. E hoje é o médico mais querido do hospital. Todos os pacientes gostam dele. É que o Marcos descobriu sua vocação.
A saúde é feita de médicos, enfermeiros e funcionários dos hospitais.
E também é feita pelos governos. O prefeito, o governador e o presidente são eleitos para cuidar da população. A saúde é responsabilidade de todos eles. É preciso cuidar da saúde do nosso povo – especialmente dos mais necessitados. Todos tem direito à saúde de boa qualidade.
Quer uma dica: a eleição está aí. Preste bem atenção nas propostas dos candidatos. Analise quem trata a saúde com seriedade, quem tem boas propostas, pra depois você voltar. Olha: voto não tem volta: votou tá votado. Então muito cuidado ao escolher quem vai cuidar da nossa cidade nos próximos 4 anos. Ele é comprometido com a saúde? Tem propostas sérias?
E não é só votar não, viu? Depois tem que cobrar. O “cabra” fala bonito, se elege e depois some? Não senhor! Tem que cumprir o que prometeu pro povo. Saúde é coisa séria. A saúde pública é coisa mais séria ainda. E que a saúde se difunda por toda a terra! Com a graça de Deus!

6 comentários:

  1. Oi Claudinha, bom diiiiia!!! Passei pra dizer que sou mais uma Catequista Unida com domínio próprio. Ontem o Catequista Roberto configurou meu domínio. Muito obrigada por tudo, além de me motivar a criar um domínio, você tornou possível a amizade entre pessoas que, apesar de distantes, partilham do mesmo sentimento de amizade, amor ao próximo e desejo de evangelização. Que Deus te abençoe, te proteja, te guarde e conceda a Sua paz! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. BOM DIA CLÁUDIA , TEM SELINHO TE ESPERANDO LÁ NO BLOG. BEIJUS

    ResponderExcluir
  3. Parabens pelo Teatro muito bem criativo.

    ResponderExcluir
  4. Uma graça de história. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  5. GOSTEI DE MAIS ,...
    DEUS O ABENÇOE!

    ResponderExcluir

Obrigada pelo contato, responderei o mais breve possível!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...