quarta-feira, 5 de junho de 2013

Celebração - Encontro "A CRIAÇÃO"


Motivação: Deus criou todas as coisas e as entregou aos nossos cuidados. Nossa missão é preservar a criação.
Símbolo: Terra, plantas, sementes e frutas.

Objetivo: Mostrar a importância da ecologia e também o cuidado com a natureza e a criação, obras de Deus.

Catequista: Por ser o Criador da terra, Deus tem sobre ela direito absoluto: só Ele dispõe dos seus bens (Gn 2,16), estabelece suas leis (Ex 23,10), a faz frutificar (Sl 65), é seu Senhor (Jó 38, 4-7). Como toda criação, ele deve louvá-lo (Sl 98, 4) com um louvor que toma forma e linguagem nos lábios de toda criatura (Sl 104). Se Deus modelou o ser humano com o barro do solo e soprou-lhe nas narinas um sopro de vida tornando-o um ser vivente (Gn 2,7), foi para lhe confiar essa terra e fazê-lo senhor da mesma.

Catequizandos: Tuas mãos me formaram por inteiro. Tu me fizeste do barro (Jó 10, 8-9), fui tirado do barro (Jó 33,6) e sou como vaso de barro (Pr 26, 23).

Leitor 1: O ser humano deve dominar a terra e submetê-la (Gn 1,28). Por seu trabalho, ele imprime sua marca à terra. Ela e seus tesouros lhe serão um permanente lembrete do amor e da fidelidade de Deus.

Catequizados: Herdeiro de Deus num solo em que ele continua estrangeiro e hóspede (Lv 25, 23), o ser humano deve mostrar-se agradecido, deve expressar a Deus o seu louvor, sua ação de graças, sua dependência.

Leitor 2: O barro vai querer se comparar com o leiro? E o pote, será que pode dizer ao seu oleiro: “você não entende nada!”? (Is 29, 16). Infeliz daquele que sendo apenas um vaso de barro se atreve a discutir com o seu criador (Is 45,9). O oleiro se assenta para fazer o trabalho, girando a roda com os pés e dedicando total cuidado à sua obra. Todos os seus gestos são calculados: com o braço modela a argila e com os pés quebra sua resistência (Eclo 38, 29-30).

Catequizandos: Nós somos o barro e tu és o nosso oleiro, todos nós somos obra de tuas mãos (Is 64,7).

Leitor 3: Deus é senhor sobre a terra (Ef 4,10); nada foi feito sem ele (Jo, 1,3); e todo poder lhe foi dado no céu e na terra (Mt 28,18). Em suas parábolas, Jesus recorre a certas imagens ligadas à terra: do semeador e da messe, da vinha e da figueira, do joio e do grão de mostarda, do pastor e das ovelhas, dos lírios do campo e das espigas arrancadas.

Catequizandos: O reino da terra dá lugar à realidade que ele anunciava, o Reino dos céus (Mt 5,3).

Leitor 4: Além dessas imagens, Jesus dá um ensinamento sobre a atitude do ser humano diante das realidades terrestres. O desejo de possuir a terra torna-se vontade para entrar na posse dos bens espirituais (Mt 5,4). O Reino é como um tesouro escondido no campo (Mt 13,44), um tesouro que não perde o seu valor no céu (Lc 12,34), e o ser humano tira coisas boas do seu bom tesouro (Mt 12,35). É preciso, pois, saber amar a Cristo e ao Evangelho mais do que aos próprios campos (Mc 10,29).

Catequizandos: Jesus chega a tomar pão e vinho, frutos da terra para deixar aqui na terra com estes sinais a presença de seu corpo.

Leitor 5: Jesus veio trazer fogo à terra (Lc 12,49). Seus discípulos são chamados a serem sal da terra (Mt 5,13). Em Jerusálem, para abraçar a terra inteira, Jesus plantou a sua cruz, sendo elevado da terra, atraindo todos a Ele (Jo 12,32).

Catequizandos: Seu Evangelho será levado por suas testemunhas até os confins da terra (At 1,8).

Leitor 6: Em Cristo estão escondidos os tesouros da sabedoria e da ciência (Cl 2,3). Com os olhos fixos em Cristo elevado ao céu, ele agora precisa pensar nas coisas lá do alto, não nas da terra (Cl 3,2), não por desprezo, mas para delas usar com se não usasse (1Cor 7,31).

Catequizandos: A oração litúrgica dá uma voz à terra, a tudo o que ela contém, ao que ela possibilita produzir pelo trabalho. Com isso, o homem, de certo modo,, eleva a terra e a faz elevar-se a Deus.

Leitor 7: O povo novo reina na terra (Ap 5,10); enquanto realiza aqui neste mundo a sua peregrinação, não pode permanecer surdo ao gemido da criação material que também aguarda a salvação (Rm 8,22). A terra está, com efeito, associada à história do novo povo.

Catequizandos: Ela própria aguarda a revelação dos filhos de Deus, com a esperança de ser também libertada da escravidão.

Leitor 8: A terra, em seu estado atual, passará (Mt 24,35), por isso não ajuntamos tesouros na terra (Mt 6,19), pois onde está o teu tesouro aí está teu coração (Mt 6,21).

Catequizandos: Isso para ser substituída pela nova terra (Ap 21,1), que esperamos segundo a promessa de Deus, na qual a justiça habitará (2Pd 3,13).

Leitor 9: Todo esse tesouro é levado em vasos de barro (2Cor 4,7). Por acaso o vaso de barro diz ao oleiro: por que fui feito assim? Por acaso o oleiro não é o dono da argila para fazer com a mesma massa dois vasos, um para uso nobre e outro para uso comum?

Catequizandos: Deus fez assim para mostrar a riqueza de sua glória para com os vasos de misericórdia (Rm 9,21.23).


Leitor 10: Assim, o Filho único Cristo Jesus (Lc 9,35) une os que o amam e nele creem, dando-lhes seu Espírito (Rm 5,5), e alimentando-os com um só pão; seu corpo sacrificado na cruz (1Cor 10,16) faz de todos os povos um só corpo (Ef 2,14-18), faz dos fiéis seus membros, dotando cada qual de carismas diversos em vista do bem comum de seu corpo. 

Autor: Padre Antonio  Francisco Bohn

Outros posts sobre "A Criação"

2 comentários:

  1. Amei esse novo layout! Bem "clean", com cores que sugerem tranquilidade e beleza.
    Letras boas pra leitura... E a rádio? Chique, heim?
    Parabéns Dinha! Ficou 10!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Angela obrigada pela força e por acreditar que eu conseguiria quando eu já estava quase desistindo de criar um novo layout para o blog! Obrigada por divulgar a Rádio em seu blog também!

      Excluir

Obrigada pelo contato, responderei o mais breve possível!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...