domingo, 15 de maio de 2011

Nossa Senhora de Natividade

Entre as décadas de 60 e 70, Nossa Senhora apareceu 5 vezes ao médico e advogado Dr. Fausto de Faria, em Natividade,RJ. Ela ditou 3 mensagens, das quais a mais longa é a segunda, dirigida à Igreja.

Na terceira aparição, Nossa Senhora deixou com o Dr. Fausto uma pedra, que surgiu nas mãos dele diante de várias testemunhas.
A parte das terras da Fazenda Coqueiro, onde se deram as aparições e onde o Dr. Fausto mandara construir uma réplica - única no mundo – da Casa de Nossa Senhora em Éfeso, na Turquia, num total de 48.400 m² (um alqueirão), foi separada exclusivamente para comportar o “SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE NATIVIDADE”, e como garantia de sua perpetuação foi designada, em escritura pública, aos três filhos: Roberto, Ronaldo e Francisco Norberto, com cláusulas impeditivas de jamais negociá-las.

Em agosto de 1967 a pintora e poetisa Profª IRACI DO NASCIMENTO E SILVA,  fez um “quadro retrato-falado que reproduz de maneira quase fiel, o rosto sublime”, segundo o próprio Dr. Fausto.

Com base no “Retrato-Falado” o Dr, Fausto de Faria encomendou uma estátua de Nossa Senhora,  em gesso pintado, de autoria do escultor MATHEUS FERNANDES, do Rio de Janeiro.
  
O nome do Santuário é “SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE NATIVIDADE”, isto é, de Nossa Senhora que apareceu no Município de Natividade/RJ; não deve ser confundido com  a Nossa Senhora que deu à luz o Salvador; embora seja a mesma como Ela própria disse: “Os Meus símbolos têm diferentes nomes, mas Eu sou uma única criatura.”


A segunda mensagem de Nossa Senhora: 

        “Eu sou realmente Miriam (
Maria, em hebraico), mãe imaculada de Jesus unigênito.

        Meu símbolo primordial, porque característico, é a maternidade divina, razão de minha própria existência.
       
Meu templo, que os ímpios e apóstatas também tentam destruir, é o culto universal a minha condição de mãe de Deus feito homem. (Destaque à necessidade de Nossa Senhora ser reconhecida como Mãe de Deus.)
       
Eu sou a mensageira da Fé e do Amor para a cristandade traumatizada pela discórdia, em meio à humanidade ameaçada em seu espiritualismo.
       
À Igreja de meu Filho - guardiã e intérprete primeira de sua doutrina - e da qual também sou Mãe, eu transmito a seguinte exortação:

        Que, sem renúncia a sua essência e aos seus valores fundamentais, sabiamente continue a ajustar sua ação à face dos tempos, a fim de melhor cumprir sua sagrada missão espiritual evangelizadora, sobretudo, e participar, da maneira mais ampla e decidida, mas pacificamente, na solução dos problemas de ordem social e econômica, atinentes, à doença, à pobreza, à ignorância e à opressão, indispensável à paz dos povos e das nações.
        Que não se esmoreça no longo e árduo caminho de edificação de um só e grande templo que acolha a unificação do cristianismo, ampliando assim, a fé e a pregação em defesa da família e da sociedade contra as forças desagregadoras da decadência espiritual, moral, os preconceitos, o orgulho e o ódio, a maldade e a violência.
 
        Que restabeleça o primado do culto a Deus e a meu Filho, sem mácula das invocações aquelas cujas vidas comprovadamente santas, sejam fortes perenes de virtudes. (
Destaque ao culto a Deus e também aos santos - tema muito discutido na época das aparições, durante o Concílio Vaticano II)
    
    Que conserve meu templo sempre aberto, intransigível e inviolável.
        
Que mantenha a respeitabilidade dos seus templos, a hierarquia e a autoridade dos seus oráculos episcopais, principalmente do maior de Cefas. (Cefas - ´pedra´; no caso, ´Pedro´, o Papa.)
 
        Que se acautele com os incendiários da fé e da disciplina em seu próprio seio. ( Alerta contra os que trabalham contra a Igreja dentro dela mesma.)

        Atenção! Fica a seu critério a conveniência e oportunidade da divulgação da seguinte frase: “___________________________” (
Dr. Fausto faleceu sem deixar orientações sobre a divulgação desta frase sigilosa. No livro Eu vi a Mãe de Cristo, explica-se que não se trata de alguma profecia de catástrofe, mas apenas uma mensagem para a Igreja. Aliás, toda essa mensagem é dirigida à Igreja.)
 
        Que o homem na sua genialidade e grandeza - dádivas de Deus - não se ofusque com suas conquistas.
        Em vão prenunciaram, porque este mundo só se extinguirá com a sua luz, não antes de passarem milhões de anos e de haver a humanidade caminhado para outros mundos.  (
Dr. Fausto faleceu sem deixar orientações sobre a divulgação desta frase sigilosa. No livro Eu vi a Mãe de Cristo, explica-se que não se trata de alguma profecia de catástrofe, mas apenas uma mensagem para a Igreja. Aliás, toda essa mensagem é dirigida à Igreja.)

        Enquanto não for depositada definitivamente, no templo do qual sou padroeira, em Natividade, que jamais falte alguém para guardar e aqui trazer, todos os anos, esta Cefas (
Cefas - ´pedra´; aqui, trata-se da pedra que surgiu nas mãos de Dr. Fausto na terceira aparição.), penhor e símbolo da minha presença permanente neste regato e neste recanto abençoado de fé e esperança, de consolo e resignação, e onde as graças por meu meio obtidas, sejam apenas registradas no silêncio da humildade, das orações e penitências, em favor dos sofredores e infelizes, das almas, da união das famílias cristãs e espirituais, dos pecadores e incrédulos.
       
Esta é a minha imagem, nesta revelação. Que seja divulgada com esta mensagem. (Na imagem de Nossa Senhora de Natividade, Ela aparenta ter cerca de 40 anos.)
 O seu pedido de Fátima e de Lourdes não pode ser atendido, porque a fé não está condicionada às revelações de Deus. Sejamos bons e humildes e oremos para alcançá-la e senti-la. (Resposta ao pedido que o Dr. Fausto fez a Nossa Senhora para aparecer ou dar algum sinal de sua presença para outras pessoas. Este pedido foi feito através de duas cartas fechadas que o Dr. Fausto entregou a seu filho mais velho, que ia para a Europa, que colocasse nos Santuários de Fátima e de Lourdes. )
 
        Este é meu segundo e último adeus desde Éfeso.
        Eu o abençôo a todos aqui presentes que vieram com fé ou em busca da fé, e desejo que minha bênção maternal chegue a todos quantos, homens e mulheres, em todas as partes do mundo, com renúncia, abnegação e sacrifícios, estão a serviço de Deus em seu apostolado e ministério.
        Não sinta a indiferença e o insulto dos orgulhosos e descrentes. Reze por eles. Adeus.”

Depois, desfazendo a posição das mãos (foi a 2ª vez que assim procedeu), conforme dissera o Dr. Fausto a seu filho Ronaldo, que estava presente nesta aparição: “Observei, meu filho, que Ela acenava para o quadro,
desfazendo, assim, pela segunda vez, a posição das mãos, mantidas sempre juntas, acima
da cintura. A primeira vez ocorreu na primeira aparição, quando Ela disse: ”Não se assuste. Volte.”

Na quinta aparição, em 12 de julho de 1977, quando se comemorava o décimo aniversário da
primeira Mensagem, tudo transcorria bem como de costume e, no horário habitual, Dr. Fausto de Faria
entregou a cefas (pedra) para sua esposa, Dª Maria Elisa, para, como sempre, colocá-la no mesmo lugar na
água do regato; porém quando a pedra tocou a água ouviu-se o chiado característico do contato de algo
quente com outro frio, então Dr. Fausto pressentiu que algo extraordinário iria acontecer, pois esse era o
prenúncio das aparições de Nossa Senhora depois da existência da cefas: ela se aquecia. Após o Terço e
depois de ter tomado da água do regato, dada, numa canequinha, por sua esposa, a expectativa se confirma
pela crescente sensação de frio intenso e tremores que o visionário da Mãe sentia nas ocasiões que
antecediam as aparições.
Neste momento, repentinamente, a linda senhora de pés e mãos dourados
“apareceu, com a mesma fisionomia de sempre: Seu rosto claro, igualzinho ao Seu
retrato-falado. Usava o mesmo vestuário primitivo cinza-azulado com o manto, do
mesmo tecido, na cabeça. As mãos douradas estavam cruzadas à altura da cintura e
os pés, também dourados, pousavam no leito raso do regato.”
Privilegiado contemplador da Mãe Santíssima, da mesma forma que Seu Filho Jesus e tantos outros
puderam vê-La e tocá-La , há dois mil anos atrás, aqui na Terra, Dr. Fausto de Faria que esteve com Ela
distante de 3 ou 4 metros a 30 centímetros, assim descreve suas impressões sobre como a MÃE DE DEUS
se apresentou nas aparições de Natividade:
“Ela apareceu sempre de carne e osso, nítida e inconfundível como criatura
humana, vista a curta distância. Tinha todas as dimensões. Não era uma estátua,
nem inerte. Seu rosto e seu olhar, que me acompanhavam todo o tempo, eram de uma
pessoa viva.”
“A visão que tinha de Nossa Senhora é de uma criatura humana, viva, com todas
as dimensões. Ao mesmo tempo que A vejo e A ouço, eu também vejo e ouço as
pessoas ao meu redor. O rosto de Nossa Senhora, embora decorridos 10 anos da
aparição de 1967, não apresenta nenhum sinal de envelhecimento. Mantém a idade
que sempre dei a Ela, mais ou menos 45 anos.”
“Mulher aparentando, mais ou menos, uns 45 anos; alta, esguia e trajando um
hábito cinza-azulado, de tecido grosso; mãos e pés dourados, mãos cruzadas à altura
da cintura; olhos grandes e bonitos... A beleza de Seu rosto e singularidade de Suas
mãos douradas... !!!”
“Sua postura é reta, com as mãos juntas acima da cintura, os pés descalços
dentro do leito raso do regato. Usa vestido inteiriço, de mangas largas, de tecido
grosso e modelo primitivo, cinza-claro azulado. É alta, magra, aparentando quarenta
e poucos anos, com uma expressão acolhedora e santa. Voz suave, um português
perfeito. Sorriu uma vez na primeira aparição, e tornou-se triste na quarta, ao ditar
a frase: “Que conserve meu templo sempre aberto, instransigível e inviolável.”
“Contemplei a tez bem alva; o rosto longo, ovalado, as faces ligeiramente
rosadas; os olhos castanhos-claros, grandes, vivos, bem afastados um do outro; os
lábios sobressaiam numa boca pequena; os cabelos ondulados, também castanhosclaros,
cobertos por um manto do mesmo tecido do vestuário, caindo para trás dos
ombros; e as lindas mãos douradas, como se houvessem sido mergulhadas em
purpurina.”
“O dourado das mãos e pés, não eram como ouro maciço ou da cor douradaplena,
eram como se estivessem com uma purpurina dourada sobre a pele”
Assim escreveu Dr. Fausto Faria em seu DIÁRIO, que na quinta aparição e terceira mensagem, dia
12 de julho de 1977, depois d’Ela dizer: “Quanto à frase, Eu lhe direi em breve”:
“Notando que Ela silenciara, fiquei contemplando Seu rosto irradiante de
vida e beleza. Cheio de emoção e perplexidade procurei me ajoelhar. Ao
levantar os olhos, Ela havia desaparecido.”

           
O Dr. Fausto Faria, faleceu  no dia 22 de dezembro de 1981,  dois dias antes tinha comentado com um filho sobre descansar no cemitério que
também ficava ali na cidade de Natividade/RJ,  “Eu quero descansar ao lado d’Ela !”.
 

8 comentários:

Waldirene Souza disse...

É impossível conhecer a história e não se apaixonar... Triste é saber que muita gente teima em não querer aceitar... Temos uma mãezinha intercedendo por nós a todo momento... Nossa Senhora da Natividade. Roga a Deus por nós!

Cláudia de Jesus Pinheiro disse...

Isso mesmo Waldirene!
Obrigada pela visita e comentário.
Fico muito feliz em ler.
Paz de Cristo!

Anônimo disse...

eu ja conhecia essa aparição e fazia anos que não

via nada a respeito hj me lembrei e vi pelo google

que nossa senhora tenha piedade de mim e me perdoe

os meus pecados

amem

Rodrigo e Miria disse...

A paz de cristo a todos .
Se tiverem oportunidade visitem o santuário no dia da festa 12 de julho várias caravanas comparecem e passam o dia e participam da missa.
Li o livro do Dr fausto e a cada página sentia a mesma emoção que ele sentiu.Foi o livro mais marcante de minha vida,e após ler um casal de amigos estava com filha de 3 anos com catapora e havia evoluido para infecção generalizada.Senti forte vontade de dar o livro a ele.Dias depois soube que a infecção havia diminuido e a criança ganhou alta para terminar o tratamento em casa.
Amigos algo mudou na vida deles.

Claudia Pinheiro disse...

Irmãos obrigada pelas informações e testemunho, nunca fui lá no dia de festa... vou me programar.
Paz de cristo!

Anônimo disse...

Nossa!Estava louco para conhecer mais sobre ela!Ainda mais porque descobri que o Dr Fausto é tio-avô do marido da minha prima.Ele sabendo que sou da Igreja,conversou muito comigo sobre ela.

Claudia Pinheiro disse...

Nossa Senhora intercederá para que Jesus nos perdoe... Amém!

Claudia Pinheiro disse...

Bom dia meu irmão, que bom saber q o post foi útil. Se tiver oportunidade visite o santuário com muita fé e se Deus quiser N.Sa. de Natividade lhe abençoará com muitas graças!

Postar um comentário

Obrigada pelo contato, responderei o mais breve possível!