terça-feira, 31 de maio de 2011

Entrevista com Jesus

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Sacramento Matrimônio

domingo, 29 de maio de 2011

Mural aniversariantes

Este mural fiz para a Sala dos Professores, cada bonequinho(a) leva um nome de uma pessoa com a respectiva data do aniversário.
Fica como opção para sala de alunos.
Beijocas!!!

COBRE BOLO

Olá turminha que adora coisinhas cutes.. acabei de fazer esse cobre bolos, que serve para proteger suas guloseimas e também dar um toque alegre a sua mesa na hora do lanche.
A capa pode ser retirada para lavar e facilmente recolocada.
Espero que gostem!

sábado, 28 de maio de 2011

Sacramento Crisma

Sacramento Comunhão - exercício

quinta-feira, 26 de maio de 2011

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Atitudes de cristão


Sacramento

terça-feira, 24 de maio de 2011

Sacramento Batismo

Batizado - O papel do padrinho é muito importante na vida do afilhado - Oração - Igreja - Batismo - Fotos.
"Ide, portanto, e fazei que todos os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo quanto vos ordenei" (Mt 28,19-20).
O Principal objetivo da Pastoral do Batismo é levar aos pais e padrinhos, o conhecimento do que é o Batismo e o compromisso que através dele se assume com Deus e com a comunidade. Demonstrar que este Sacramento não se resume apenas em batizar. É necessário vivenciar, testemunhar e ensinar filhos e afilhados a serem cristãos autênticos e fiéis seguidores de Jesus Cristo.

OS SETE SACRAMENTOS

Sacramentos são gestos de Deus em nossa vida. Realizam aquilo que expressam simbolicamente.
 

sábado, 21 de maio de 2011

N.S. de Nazaré

 A devoção teve início em Portugal e espalhou-se pelas colônias portuguesas. No Brasil, a devoção a Nossa Senhora de Nazaré tem grande expressão em Belém (Pará) através do Círio de Nazaré, que se tornou uma das maiores procissões católicas do mundo, reunindo anualmente cerca milhões de pessoas.

A pequena imagem de Nossa Senhora de Nazaré, que hoje é venerada em Portugal teria recebido essa denominação pelo fato de haver sido esculpida, em madeira, naquela cidadezinha da Galiléia onde a Sagrada Família se estabeleceu.

Em Saquarema/RJ

No ano de 1630, cerca de três pescadores saíram para pescar no revolto mar de Saquarema. Após uma forte tempestade os pescadores, ao voltar para a praia, encontraram próximo ao Costão, morro de pedras que fica localizado no centro da cidade, uma forte luz. Decidiram então chegar mais próximo e encontraram uma imagem de Maria, na hora ainda não sabiam do título.

Igreja Nossa Senhora de Nazaré em Saquarema.
Decidiram então levar a imagem a casa de um dos pescadores, para protegê-la da chuva. Após guardarem a imagem, foram dormir. No dia seguinte descobriram que a imagem não estava no mesmo lugar, e iniciou-se uma grande procura em toda a cidade, achando-a horas depois no mesmo morro onde foi encontrada, e levaram-na novamente para a casa, mas na manhã seguinte ela desapareceu novamente, sendo achada no mesmo morro. Isso ocorreu por mais duas vezes.
Então decidiram construir naquele morro uma pequena capela em homenagem à imagem, que logo deram o nome de Nossa Senhora de Nazaré, mas a fama dos milagres se espalharam por toda a região, fazendo com que a capela no alto do morro ficasse pequena. Rapidamente foi construída uma igreja de maiores dimensões inaugurada em 1837. Desde aquele tempo até hoje aVirgem de Nazaré realiza seus milagres, o que atrai a cada anos mais devotos fazendo com que hoje a sua festa realizada no dia de seu encontro, 8 de setembro, seja a terceira maior festa doBrasil e o primeiro Círio de Nazaré do Brasil.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Nossa Senhora do Ó


A imagem de Nossa Senhora do Ó sempre apresenta a mão esquerda espalmada sobre o ventre avantajado, em fase final de gravidez. A mão direita levantada. 
Encontram-se imagens com esta mão segurando um livro aberto ou também uma fonte, ambos significando a fonte da vida

No começo do século XIX, mudanças no culto mariano começavam a estimular o dogma da Imaculada Conceição, o que não combinava com aquela santa em estado de adiantada gravidez, como retratava a iconografia, estimada pelas mulheres à espera da hora do parto.
Muitas imagens foram trocadas pela da Nossa Senhora do Bom Parto, vestida de freira, com o ventre disfarçado pela roupa, ou mesmo pela imagem de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, mais condizente com os ventos moralistas da época.
Somente no fim do século XX se voltou a falar e pesquisar o assunto, tendo-se encontrado imagens antigas enterradas sob o altar das igrejas.

Festa católica de origem claramente espanhola, a festa  é conhecida na liturgia com o nome de "Expectação do parto de Nossa Senhora", e entre o povo com o título de "Nossa Senhora do Ó". Os dois nomes têm o mesmo significado e objetivo:milhares de gerações que suspiraram pela vinda do Salvador do mundo, desde Adão e Eva, e que se recolhem e concentram no Coração de Maria, como no mais puro e limpo dos espelhos. 
A Expectação (expectativa) do parto não é simplesmente a ansiedade, natural na mãe jovem que espera o seu primogênito; é o desejo inspirado e sobrenatural da "bendita entre as mulheres", que foi escolhida para Mãe Virgem do Redentor dos homens, para corredentora da humanidade. Ao esperar o seu Filho, Nossa Senhora ultrapassa os ímpetos afetivos de uma mãe comum e eleva-se ao plano universal da Salvação do mundo.

As antífonas que  a Igreja preparou de 18 de dezembro até a Véspera do Natal começam sempre pela interjeição exclamativa Ó ("Ó Sabedoria... vinde ensinar-nos o caminho da salvação"; "Ó rebento da Raiz de Jessé... vinde libertar-nos, não tardeis mais"; "Ó Emanuel..., vinde salvar-nos, Senhor nosso Deus"), como expoente altíssimo do fervor e ardentes desejos da Igreja, que suspira pela vinda de Jesus, inspiraram ao povo espanhol a formosa invocação de "Nossa Senhora do Ó". 

Maria e Isabel

Quatro características na visita de Maria à Isabel

imagen_visita.jpg“Naqueles dias, Maria se levantou e foi às pressas às montanhas, a uma cidade de Judá”.
A primeira característica desta visita de N. Senhora foi a sua motivação para fazer uma visita a sua prima Isabel.  Quando temos motivação para fazer algo, já indica que vamos fazer algo de muito importante que perpassa pelas nossas emoções e sentimentos, produzindo em nós uma necessidade apressada de concretizar tal gesto. A primeira característica de Maria que motivou a sua visita a Isabel, foi a “pressa”. Ela se levantou e foi às pressas às montanhas….
visitacao.jpgA segunda característica que encontrei foi à saudação“Maria entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel” Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança  estremeceu no seu ventre e no mesmo momento Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Que maravilha de saudação que é capaz de envolver toda a pessoa de Isabel ao ponto de estremecer até o seu ventre onde estava João Batista. Maria estava ali por inteira e levava consigo o menino Deus. Quando nos encontramos com alguma pessoa ou nos relacionamos com ela mesmo que por alguns minutos, este momento deve produzir o mesmo impacto que produziu no encontro de Maria com Isabel. Temos que transportar através da nossa saudação os efeitos de carregarmos em nós a presença de Deus. Maria levava Deus em si, e foi Deus que ela transmitiu a Isabel. “Isabel ficou cheia do Espírito Santo”
visitacion.jpgA terceira característica vem logo a seguir. Isabel exclama em alta voz;“Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe do meu Senhor?”Ora, quem havia dito a Isabel que Maria estava grávida? Por acaso, naquela época já havia telefone? Claro que não! Quem a revelou foi oEspírito Santo que estava presente naquele encontro. Quando Deus está presente em nossa vida, onde e com quem encontrarmos produziremos diálogos profundamente proféticos e construtivos. Está é uma terceira característica da visita de Maria a sua prima Isabel.
A quarta e última característica é a mais perfeita ainda. Após a declamação de Isabel, Maria é inspirada a compor uma das orações mais lindas que a bíblia tem. “Minha alma glorifica ao Senhor, meu Espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador…”. Um encontro que gera louvor, onde Deus passa a ser o primeiro plano, o maior motivo da nossa presença ali. Quando estas quatro características vier a fazer parte da nossa conduta, então, não haverá possibilidade de alguém passar em vão em nossa vida.
Tenho certeza que depois de rezar com esta palavra hoje, minha vida fraterna terá outro sabor, ganha um novo sentido e vigor. Motivado por estas quatro características, peço a Santíssima Virgem que nos ensine a levar Jesus em todos os ambientes, em todos os encontros seja com quem quer que seja! Assim seja, amém.
Postagem original aqui                 

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Tatuagem pode???

O sinal do cristão é a cruz de Cristo recebido no dia sagrado e venturoso do batismo. 
O verdadeiro cristão é aquele que repete sinceramente com São Paulo: "Eu sei em que eu confiei" (2 Tm 1,2) e não gasta dinheiro, nem perde tempo com essas coisas.
 Veja esse vídeo e aprofunde seus conhecimentos antes de levar o tema para as crianças.

Ser Cristão

Se somos cristãos, devemos ser fiéis a Cristo!
Na missa que tive o privilégio de participar ontem, o Pe. Davi (Paróquia São José/Bom Jesus do Itabapoana-RJ) me tocou muito com suas palavras e reflexões... ele dizia:  "As vezes fico pensando no que os primeiros seguidores de Cristo tinham que nós cristãos de hoje em dia não temos? Porque Pedro em sua primeira pregação converte 3.000 corações e nós precisamos fazer 3.000 pregações para converter 1 pessoa...?" 
 
Continuando a reflexão conclui:  "Eles viviam verdadeiramente o que Jesus ensinou, eles amavam a Deus sobre todas as coisas, amavam ao próximo como a si próprios... Essa é a diferença... para que consigamos converter mais corações para Cristo, precisamos viver o que pregamos, aí sim as pessoas vão acreditar na fé que temos e sentirão vontade de seguir a Jesus também.

Movida por essa maravilhosa reflexão... peço que vocês também reflitam... "Será que somos coerentes com os ensinamentos que passamos para nossos catequizandos? Será que passamos para eles o que é ser verdadeiramente de Cristo?"
Vamos trabalhar esse tema?! 
 

terça-feira, 17 de maio de 2011

Imaculado Coração de Maria

Devoção ao Imaculado Coração de Maria 


A devoção ao Coração de Maria começou já no início da Igreja. 

Com as aparições em Fátima, ganhou destaque. 
A devoção ao Coração de Maria está associada à devoção ao Coração de Jesus, pois esses Dois Corações se uniram no Mistério da Encarnação, Paixão e Morte do Verbo Encarnado.

Honrar o Coração de Maria é honrar o Coração que foi preparado por Deus para ser uma digna morada do Espírito Santo, que formaria a seu tempo o Redentor no ventre imaculado da Virgem Maria.

Esta devoção ao Coração de Maria é devoção à própria Mãe de Jesus. É também veneração dos santos sentimentos e afetos, a ardente caridade de Maria para com Deus, para com seu Filho e para com todos os homens, que lhe foram confiados solenemente por Jesus agonizante.
Assim, louvamos e agradecemos a Deus por nos haver dado por Mãe e intercessora Aquela que acreditou.


O Coração de Maria na Bíblia

Lc 2,19
Maria conservava todas estas palavras, meditando-as no seu coração. (sobre a adoração dos pastores que falavam da manifestação dos Anjos sobre o Menino)
Lc 2,35b
E uma espada transpassará a tua alma. 
(profecia de Simeão, dirigida a Maria)
Lc 2,51b
Sua mãe guardava todas estas coisas no seu coração. 
(depois do encontro de Jesus no Templo, ensinando os doutores da Lei)


A Aliança dos Dois Corações

Essa união começou quando, pelo poder do Espírito Santo, Maria concebeu o Coração de Jesus em Seu próprio Coração. 
Esse Sagrado Coração começou a pulsar no ventre de Maria, como eco às batidas de Seu Coração Imaculado. O Coração de Jesus existe pelo consentimento da Virgem Santíssima na Anunciação. 
Foi o sangue de Maria que alimentou esse Coração Sagrado do Filho de Deus feito homem.
Essa união de amor é consumada quando, ao mesmo tempo, esses Dois Corações são imolados por nossa salvação. Quando o Coração de Jesus foi traspassado pela lança do soldado, o Coração de Maria foi traspassado espiritualmente, cumprindo a profecia de Simeão (Lc 2,35b).


domingo, 15 de maio de 2011

Nossa Senhora de Natividade

Entre as décadas de 60 e 70, Nossa Senhora apareceu 5 vezes ao médico e advogado Dr. Fausto de Faria, em Natividade,RJ. Ela ditou 3 mensagens, das quais a mais longa é a segunda, dirigida à Igreja.

Na terceira aparição, Nossa Senhora deixou com o Dr. Fausto uma pedra, que surgiu nas mãos dele diante de várias testemunhas.
A parte das terras da Fazenda Coqueiro, onde se deram as aparições e onde o Dr. Fausto mandara construir uma réplica - única no mundo – da Casa de Nossa Senhora em Éfeso, na Turquia, num total de 48.400 m² (um alqueirão), foi separada exclusivamente para comportar o “SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE NATIVIDADE”, e como garantia de sua perpetuação foi designada, em escritura pública, aos três filhos: Roberto, Ronaldo e Francisco Norberto, com cláusulas impeditivas de jamais negociá-las.

Em agosto de 1967 a pintora e poetisa Profª IRACI DO NASCIMENTO E SILVA,  fez um “quadro retrato-falado que reproduz de maneira quase fiel, o rosto sublime”, segundo o próprio Dr. Fausto.

Com base no “Retrato-Falado” o Dr, Fausto de Faria encomendou uma estátua de Nossa Senhora,  em gesso pintado, de autoria do escultor MATHEUS FERNANDES, do Rio de Janeiro.
  
O nome do Santuário é “SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE NATIVIDADE”, isto é, de Nossa Senhora que apareceu no Município de Natividade/RJ; não deve ser confundido com  a Nossa Senhora que deu à luz o Salvador; embora seja a mesma como Ela própria disse: “Os Meus símbolos têm diferentes nomes, mas Eu sou uma única criatura.”


A segunda mensagem de Nossa Senhora: 

        “Eu sou realmente Miriam (
Maria, em hebraico), mãe imaculada de Jesus unigênito.

        Meu símbolo primordial, porque característico, é a maternidade divina, razão de minha própria existência.
       
Meu templo, que os ímpios e apóstatas também tentam destruir, é o culto universal a minha condição de mãe de Deus feito homem. (Destaque à necessidade de Nossa Senhora ser reconhecida como Mãe de Deus.)
       
Eu sou a mensageira da Fé e do Amor para a cristandade traumatizada pela discórdia, em meio à humanidade ameaçada em seu espiritualismo.
       
À Igreja de meu Filho - guardiã e intérprete primeira de sua doutrina - e da qual também sou Mãe, eu transmito a seguinte exortação:

        Que, sem renúncia a sua essência e aos seus valores fundamentais, sabiamente continue a ajustar sua ação à face dos tempos, a fim de melhor cumprir sua sagrada missão espiritual evangelizadora, sobretudo, e participar, da maneira mais ampla e decidida, mas pacificamente, na solução dos problemas de ordem social e econômica, atinentes, à doença, à pobreza, à ignorância e à opressão, indispensável à paz dos povos e das nações.
        Que não se esmoreça no longo e árduo caminho de edificação de um só e grande templo que acolha a unificação do cristianismo, ampliando assim, a fé e a pregação em defesa da família e da sociedade contra as forças desagregadoras da decadência espiritual, moral, os preconceitos, o orgulho e o ódio, a maldade e a violência.
 
        Que restabeleça o primado do culto a Deus e a meu Filho, sem mácula das invocações aquelas cujas vidas comprovadamente santas, sejam fortes perenes de virtudes. (
Destaque ao culto a Deus e também aos santos - tema muito discutido na época das aparições, durante o Concílio Vaticano II)
    
    Que conserve meu templo sempre aberto, intransigível e inviolável.
        
Que mantenha a respeitabilidade dos seus templos, a hierarquia e a autoridade dos seus oráculos episcopais, principalmente do maior de Cefas. (Cefas - ´pedra´; no caso, ´Pedro´, o Papa.)
 
        Que se acautele com os incendiários da fé e da disciplina em seu próprio seio. ( Alerta contra os que trabalham contra a Igreja dentro dela mesma.)

        Atenção! Fica a seu critério a conveniência e oportunidade da divulgação da seguinte frase: “___________________________” (
Dr. Fausto faleceu sem deixar orientações sobre a divulgação desta frase sigilosa. No livro Eu vi a Mãe de Cristo, explica-se que não se trata de alguma profecia de catástrofe, mas apenas uma mensagem para a Igreja. Aliás, toda essa mensagem é dirigida à Igreja.)
 
        Que o homem na sua genialidade e grandeza - dádivas de Deus - não se ofusque com suas conquistas.
        Em vão prenunciaram, porque este mundo só se extinguirá com a sua luz, não antes de passarem milhões de anos e de haver a humanidade caminhado para outros mundos.  (
Dr. Fausto faleceu sem deixar orientações sobre a divulgação desta frase sigilosa. No livro Eu vi a Mãe de Cristo, explica-se que não se trata de alguma profecia de catástrofe, mas apenas uma mensagem para a Igreja. Aliás, toda essa mensagem é dirigida à Igreja.)

        Enquanto não for depositada definitivamente, no templo do qual sou padroeira, em Natividade, que jamais falte alguém para guardar e aqui trazer, todos os anos, esta Cefas (
Cefas - ´pedra´; aqui, trata-se da pedra que surgiu nas mãos de Dr. Fausto na terceira aparição.), penhor e símbolo da minha presença permanente neste regato e neste recanto abençoado de fé e esperança, de consolo e resignação, e onde as graças por meu meio obtidas, sejam apenas registradas no silêncio da humildade, das orações e penitências, em favor dos sofredores e infelizes, das almas, da união das famílias cristãs e espirituais, dos pecadores e incrédulos.
       
Esta é a minha imagem, nesta revelação. Que seja divulgada com esta mensagem. (Na imagem de Nossa Senhora de Natividade, Ela aparenta ter cerca de 40 anos.)
 O seu pedido de Fátima e de Lourdes não pode ser atendido, porque a fé não está condicionada às revelações de Deus. Sejamos bons e humildes e oremos para alcançá-la e senti-la. (Resposta ao pedido que o Dr. Fausto fez a Nossa Senhora para aparecer ou dar algum sinal de sua presença para outras pessoas. Este pedido foi feito através de duas cartas fechadas que o Dr. Fausto entregou a seu filho mais velho, que ia para a Europa, que colocasse nos Santuários de Fátima e de Lourdes. )
 
        Este é meu segundo e último adeus desde Éfeso.
        Eu o abençôo a todos aqui presentes que vieram com fé ou em busca da fé, e desejo que minha bênção maternal chegue a todos quantos, homens e mulheres, em todas as partes do mundo, com renúncia, abnegação e sacrifícios, estão a serviço de Deus em seu apostolado e ministério.
        Não sinta a indiferença e o insulto dos orgulhosos e descrentes. Reze por eles. Adeus.”

Depois, desfazendo a posição das mãos (foi a 2ª vez que assim procedeu), conforme dissera o Dr. Fausto a seu filho Ronaldo, que estava presente nesta aparição: “Observei, meu filho, que Ela acenava para o quadro,
desfazendo, assim, pela segunda vez, a posição das mãos, mantidas sempre juntas, acima
da cintura. A primeira vez ocorreu na primeira aparição, quando Ela disse: ”Não se assuste. Volte.”

Na quinta aparição, em 12 de julho de 1977, quando se comemorava o décimo aniversário da
primeira Mensagem, tudo transcorria bem como de costume e, no horário habitual, Dr. Fausto de Faria
entregou a cefas (pedra) para sua esposa, Dª Maria Elisa, para, como sempre, colocá-la no mesmo lugar na
água do regato; porém quando a pedra tocou a água ouviu-se o chiado característico do contato de algo
quente com outro frio, então Dr. Fausto pressentiu que algo extraordinário iria acontecer, pois esse era o
prenúncio das aparições de Nossa Senhora depois da existência da cefas: ela se aquecia. Após o Terço e
depois de ter tomado da água do regato, dada, numa canequinha, por sua esposa, a expectativa se confirma
pela crescente sensação de frio intenso e tremores que o visionário da Mãe sentia nas ocasiões que
antecediam as aparições.
Neste momento, repentinamente, a linda senhora de pés e mãos dourados
“apareceu, com a mesma fisionomia de sempre: Seu rosto claro, igualzinho ao Seu
retrato-falado. Usava o mesmo vestuário primitivo cinza-azulado com o manto, do
mesmo tecido, na cabeça. As mãos douradas estavam cruzadas à altura da cintura e
os pés, também dourados, pousavam no leito raso do regato.”
Privilegiado contemplador da Mãe Santíssima, da mesma forma que Seu Filho Jesus e tantos outros
puderam vê-La e tocá-La , há dois mil anos atrás, aqui na Terra, Dr. Fausto de Faria que esteve com Ela
distante de 3 ou 4 metros a 30 centímetros, assim descreve suas impressões sobre como a MÃE DE DEUS
se apresentou nas aparições de Natividade:
“Ela apareceu sempre de carne e osso, nítida e inconfundível como criatura
humana, vista a curta distância. Tinha todas as dimensões. Não era uma estátua,
nem inerte. Seu rosto e seu olhar, que me acompanhavam todo o tempo, eram de uma
pessoa viva.”
“A visão que tinha de Nossa Senhora é de uma criatura humana, viva, com todas
as dimensões. Ao mesmo tempo que A vejo e A ouço, eu também vejo e ouço as
pessoas ao meu redor. O rosto de Nossa Senhora, embora decorridos 10 anos da
aparição de 1967, não apresenta nenhum sinal de envelhecimento. Mantém a idade
que sempre dei a Ela, mais ou menos 45 anos.”
“Mulher aparentando, mais ou menos, uns 45 anos; alta, esguia e trajando um
hábito cinza-azulado, de tecido grosso; mãos e pés dourados, mãos cruzadas à altura
da cintura; olhos grandes e bonitos... A beleza de Seu rosto e singularidade de Suas
mãos douradas... !!!”
“Sua postura é reta, com as mãos juntas acima da cintura, os pés descalços
dentro do leito raso do regato. Usa vestido inteiriço, de mangas largas, de tecido
grosso e modelo primitivo, cinza-claro azulado. É alta, magra, aparentando quarenta
e poucos anos, com uma expressão acolhedora e santa. Voz suave, um português
perfeito. Sorriu uma vez na primeira aparição, e tornou-se triste na quarta, ao ditar
a frase: “Que conserve meu templo sempre aberto, instransigível e inviolável.”
“Contemplei a tez bem alva; o rosto longo, ovalado, as faces ligeiramente
rosadas; os olhos castanhos-claros, grandes, vivos, bem afastados um do outro; os
lábios sobressaiam numa boca pequena; os cabelos ondulados, também castanhosclaros,
cobertos por um manto do mesmo tecido do vestuário, caindo para trás dos
ombros; e as lindas mãos douradas, como se houvessem sido mergulhadas em
purpurina.”
“O dourado das mãos e pés, não eram como ouro maciço ou da cor douradaplena,
eram como se estivessem com uma purpurina dourada sobre a pele”
Assim escreveu Dr. Fausto Faria em seu DIÁRIO, que na quinta aparição e terceira mensagem, dia
12 de julho de 1977, depois d’Ela dizer: “Quanto à frase, Eu lhe direi em breve”:
“Notando que Ela silenciara, fiquei contemplando Seu rosto irradiante de
vida e beleza. Cheio de emoção e perplexidade procurei me ajoelhar. Ao
levantar os olhos, Ela havia desaparecido.”

           
O Dr. Fausto Faria, faleceu  no dia 22 de dezembro de 1981,  dois dias antes tinha comentado com um filho sobre descansar no cemitério que
também ficava ali na cidade de Natividade/RJ,  “Eu quero descansar ao lado d’Ela !”.
 

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Vamos colorir?



quinta-feira, 12 de maio de 2011

Vamos colorir?



Nossa Senhora de Lourdes


Em 11 de fevereiro, a Igreja celebra a festa de Nossa Senhora de Lourdes, relembrando as aparições da Mãe de Deus em Lourdes, uma pequena cidade francesa localizada nos Pirineus, quase na fronteira com a Espanha.



A família Soubirous,  eram os mais pobres da região. Por isso, Bernadete apanhou asma, com que sofreu até morrer.


Em 11 de fevereiro de 1858, a pedido da mãe, Bernadete, sua irmã Toinette e uma vizinha Jeanne Abadie, foram até as margens do rio Gave apanhar lenha para o fogão.  Bernadete hesita um pouco por causa da temperatura da água e das recomendações de sua mãe, que lhe dissera para tomar cuidado por causa de sua asma. Mas resolve seguir as companheiras e se abaixa para tirar as meias. Ouve, então, um ruído como um sopro de um vento impetuoso. Olhando para as árvores, vê que galhos e folhas não se mexiam e volta a abaixar-se para retirar as meias quando escuta novo barulho de vento. Mais uma vez levanta os olhos e percebe o brilho de uma luz, dentro de um buraco na parede, logo acima de uma roseira brava.
Havia, dentro da luz, uma jovem maravilhosa, com os braços abertos numa atitude de acolhimento, como se a estivesse chamando. Usava um longo cinto azul na cintura, um véu transparente sobre os cabelos e tinha, sobre cada pé, descalço, uma rosa dourada.
Atordoada com a visão, a menina esfregou os olhos, mas esta não desapareceu. Meteu a mão no bolso e encontrou o terço. Tentou fazer o sinal da cruz mas não conseguiu porque sua mão tremia fortemente, ficando cada vez mais espantada. A Senhora fez ela mesma o sinal da cruz e Bernadete, desta vez, pode fazer o seu, pondo-se de joelhos e rezando o terço. A Senhora a acompanhava passando as contas do seu, mas não mexia os lábios. Quando terminou, a Senhora fez sinal a Bernadete para se aproximar, mas ela não teve coragem, e a Senhora desapareceu.
As companheiras perguntaram porque passara tanto tempo de joelhos, a rezar e Bernadete contou o que acontecera. As crianças contaram aos pais e Francisco e Luísa interrogaram Bernadete sobre o que tinha acontecido. Eles lhe deram uma surra e proibiram de voltar à gruta.
Três dias depois, no domingo, 14 de fevereiro de 1858, depois da missa, as crianças foram todas ao local da aparição, tendo os pais de Bernadete autorizado sua ida, contanto que levasse um pouco de água benta para jogar na aparição. Se não fosse de Deus, com a água benta, iria embora. A Senhora recebeu a água benta com um sorriso. Quanto mais Bernadete jogava água benta, mais a Senhora sorria. Depois, desapareceu.
Na quinta feira seguinte, 18 de fevereiro de 1858, a Senhora falou pela primeira vez, afirmando não ser necessário anotar nada que dissesse e convidando a Bernadete para voltar à gruta durante quinze dias, prometendo torná-la feliz não neste mundo, mas no outro.
E nas aparições, ora a Senhora ficava calada, ora ensinava alguma oração somente para Bernadete. Na oitava aparição começou a pedir a todos penitência e orações pela conversão dos pecadores e a Bernadete que beijasse o chão como penitência pelos pecadores. A Senhora não dizia quem era, mas todos acreditavam ser Nossa Senhora.
Na nona aparição, a 25 de fevereiro de 1858, a Senhora pediu a Bernadete que bebesse e se lavasse na água da fonte. Como não havia água no lugar, Bernadete pensou em ir para o rio, quando a Senhora mostrou um lugar, na gruta. Bernadete começou a cavar, com suas mãos, e começou a jorrar água e lama. Bernadete lavou-se com aquela água e, quando limpou um pouco mais, dela bebeu. A Senhora também lhe disse que comesse algumas ervas do fundo da gruta em penitência pelos pecadores.
Nesta altura dos acontecimentos, quase mil e quinhentas pessoas compareciam à gruta por volta do meio dia para presenciar as aparições. As pessoas chegavam a partir de meia noite para conseguir os melhores lugares e o vigário local, Pe Peyramale, havia proibido a presença de qualquer sacerdote. Em primeiro de março de 1858, na décima segunda aparição, aconteceu o primeiro milagre, pois Catarina Latapié tinha os dedos da mão direita dobrados e paralisados e, ao mergulhá-los na fonte que havia sido cavada no dia 25 de fevereiro, instantaneamente voltaram ao normal. A bem da verdade, muita gente levava da água da fonte para casa, crendo ser milagrosa.
No dia seguinte, 2 de março de 1858, a Senhora disse: Vai dizer aos sacerdotes que venham para cá em procissão e que construam uma capela aqui. Como era de se esperar, o Pe. Peyramale não acreditou que se tratava de um pedido de Maria e exigiu que a menina indagasse à aparição quem era. No dia seguinte, 3 de março, a menina fala da exigência do vigário, mas a aparição somente sorri e torna a pedir a construção de uma capela. O vigário responde: Ela se ri de ti. Diga-lhe que, se quer uma capela, que diga seu nome e faça florir a roseira da gruta. Então faremos uma capela bem grande.
Na décima quinta aparição, no dia 4 de março, estavam presentes mais de oito mil pessoas e a Senhora conversou mais de uma hora com Bernadete, pedindo, mais uma vez, que se construísse, no local, uma capela. E se passaram vários dias sem que Bernadete retornasse à gruta.
Mas, no dia da Festa da Anunciação do Senhor, Bernadete sentiu-se como atraída à gruta. Quando lá chegou, perguntou à aparição quem era ela. E a Virgem respondeu: EU SOU IMACULADA CONCEIÇÃO. 
A menina encheu-se de tristeza e disse; então você não é a Virgem Maria? A Senhora desapareceu e a menina foi falar com o vigário. Este lhe perguntou: Então, é a Santa Virgem quem tu vês? E a menina respondeu com um suspiro de tristeza: Acho que não. Ela disse que era a Imaculada Conceição.
O Pe. Peyramale estremeceu e foi empalidecendo. Quatro anos antes, a 8 de dezembro de 1854, Sua Santidade o Papa Pio IX havia proclamado o dogma da Imaculada Conceição. Aquela pobre menina semi-alfabetizada não tinha como saber sequer o que significavam as palavras Imaculada Conceição. Ele convenceu-se que as aparições eram verdadeiras e eram da própria Mãe de Jesus Cristo.
Depois disso, a Virgem Mãe de Deus ainda apareceu duas vezes a Bernadete Soubirous - 7 de abril de 1858 e 16 de julho de 1858 (Festa de Nossa Senhora do Carmo).