Mostrando postagens com marcador Campanha da Fraternidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Campanha da Fraternidade. Mostrar todas as postagens

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Catequistas Unidos na CF 2017

Clique na imagem para ir pro Blog Catequizar com Jesus e ver esta e outras atividades.

Deus vai nos dando tarefas em nossa caminhada... para que possamos usar os dons que Ele tão generosamente nos cumula.  Tem tarefas que devemos desempenhar durante um tempo... outras para sempre... tem umas que nós não assumimos pois nos falta obediência e discernimento, afinal ainda estamos em construção, lutamos a cada dia para nos tornarmos seres melhores, não é?  Mas eu quero hoje falar dos catequistas blogueiros.  É muito lindo já ser catequista, uma missão sublime e de grande importância.  Imagina ser catequista e ainda manter um blog para compartilhar conhecimentos e experiencias, muito lindo!

Hoje,  indico o blog do Catequista Unido Rodrigo Boechat 

Passem por lá, ele fez ótimas atividades sobre a Campanha da Fraternidade 2017.  E se possível deixem um recadinho para ele.

Paz de Cristo!

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

CF 2017 - Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida


A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou o texto-base da Campanha da Fraternidade (CF) de 2017. Com o Tema:“Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o Lema:“Cultivar e guardar a criação” (Gn 2.15), a iniciativa alerta para o cuidado da criação, de modo especial dos biomas brasileiros. (fonte:CNBB)

Fiz este cartaz, mas logo abaixo tem o cartaz oficial da CF2017.


Cartaz Oficial
 



segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Cartaz Campanha Fraternidade para colorir

Olá  Catequistas,

Pensando nos pequeninos, deixo este cartaz que pode ser utilizado no encontro, mostrando o Cartaz Original da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016.colorido para que eles possam completar alguns detalhes e colorir.

Bom encontro!!!

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Campanha Fraternidade 2016 - Roteiro Encontro Catequético

Olá Povo de Deus,

Esse ano o Tema da CF está chamando a atenção dos cristãos para a triste realidade que o planeta está.  Então, vamos caprichar na divulgação da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016 e fazer um encontro bem bacana?

Deixo um roteiro e algumas atividade como sugestão.

Paz de Cristo!

Dinâmica  para levantar questões como:
 * Por quê a água é tão importante? 

Distribuir uma tira de papel para os participantes e solicitar que cada um escreva uma frase sobre a água. 
* O que poderemos fazer para economiza água?  ou
* O que poderemos fazer para manter água limpa? 
No final da frase escrever, entre parênteses, uma característica pessoal, por exemplo: 
(Quem escreveu esta frase tem os olhos castanhos.). 

- O catequista recolhe as frases e redistribui-as entre os participantes. - Um participante é escolhido para iniciar a leitura da frase que tem em mãos e tentar adivinhar, pela dica, o autor da frase. 
Caso não tenha conseguido adivinhar, o autor se manifesta e continua com a brincadeira, até que todos tenham lido a frase recebida. 



quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Cartaz CF 2015 - Colorir

Olá queridos catequistas,

Trago para vocês o cartaz da Campanha da Fraternidade 2015 para as crianças colorirem, ou quem sabe para os jovens usarem o verso para escreverem sobre o Tema ou um dos objetivos almejados pela CNBB.
Que o Espírito Santo ilumine vocês!

Paz de Cristo!

CF 2015 - OBJETIVOS

Objetivo geral
Aprofundar, à luz do Evangelho, o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, como serviço ao povo brasileiro, para a edificação do Reino de Deus.

Objetivos específicos
´1. Fazer memória do caminho percorrido pela Igreja com a sociedade, identificar e compreender os principais desafios da situação atual.

2. Apresentar os valores espirituais do Reino de Deus e da doutrina Social da Igreja, como elementos autenticamente humanizantes.


3. Identificar as questões desafiadoras na evangelização da sociedade e estabelecer parâmetros e indicadores para a ação pastoral. 

4. Aprofundar a compreensão da dignidade da pessoa, da integridade da criação, da cultura da paz, do espírito e do diálogo inter-religioso e intercultural, para superar as relações desumanas e violentas. 

5. Buscar novos métodos, atitudes e linguagens na missão da Igreja de Cristo de levar a Boa Nova a cada pessoa, família e sociedade.
6. Atuar profeticamente, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para o desenvolvimento integral da pessoa e na construção de uma sociedade justa e solidária.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Roteiro CF 2014



O valor de todo ser humano. 

Recado ao Catequista 


Crianças e adolescentes precisam conhecer seu próprio valor como obras especiais dentro do coração. É a partir dessa valorização que irão compreender o valor do outro, qualquer que seja a sua condição. Quem não valoriza o ser humano está desvalorizando também o grande artista que criou todos nós com capacidade de amar e de ser amados, de criar, de transformar a vida.
 Por trás do tráfico de pessoas (para trabalho escravo, adoções ilegais, exploração sexual, comércio de órgãos) está a colocação do dinheiro e dos bens de mercado como valor supremo, absoluto. O abuso sexual aparece também como um modo de tratar o corpo como objeto. Crianças e adolescentes precisam crescer sabendo identificar o que realmente é importante. A questão do sentido da vida humana deve ser abordada a partir de recursos ao alcance de cada faixa etária. O mesmo vale para os exemplos que serão apresentados de acordo com a sensibilidade de cada grupo de catequizandos. Apesar de gravidade e de certos aspectos pesados do tema, possivelmente as crianças estarão mais dispostas a valorizar o que vai ser refletido, a partir da própria inocência com que contemplam a vida. 

Desenvolvimento do encontro 

 Preparação do local: Colocar em destaque o cartaz da Campanha da Fraternidade e a Bíblia. Prepara uma folha com três colunas e com os títulos: coisa barata, coisa muito caras, o que não tem preço. Trazer figuras de pessoas de variadas etnias, idades, situação social e anúncio de produtos que estão a venda. Compor faixas com os textos bíblicos citados. 

Apresentação do tema 



O catequista vai conversar sobre a Campanha da Fraternidade, verificando o que os catequizandos já sabem sobre isso. Outras campanhas podem ser lembradas. Como ela é feita na Quaresma, temos aí uma oportunidade de explicar o significado desse tempo litúrgico que nos convida a uma revisão de vida.
 Serão apresentados o cartaz e o tema, com uma explicação do significado geral de tráfico humano (trabalho escravo, exploração de atividade sexual, venda de crianças para adoção ilegal e comércio de órgãos) adaptada à idade e à sensibilidade dos catequizandos. Aí pode comparar o que o grupo já sabe sobre o processo de escravidão vivido em outros tempos com os tipos de escravidão que podem ocorrer ainda hoje. 
   
Podemos vender coisas e não pessoas. Por quê? 

Todos os dias vemos anúncios que mostram como é o nosso sistema de compra e  venda (apresentar recortes de anúncios publicados em revistas, folhetos e jornais, com o preço de cada mercadoria anunciada). Por que algumas coisas são mais caras do que as outras? 
 Devemos comprar tudo que desejarmos? Há pessoas que só se sentem valorizadas se estiverem usando o que a propaganda diz que é indispensável. Mas quem será que tem mais valor: o jovem (ou a criança) que vive exigindo dos pais tudo o que os colegas estiverem usando ou quem sabe fica sem alguma coisa quando percebe que isso vai ser um sacrifício para os pais? O que é mais valioso para nós: um presente caro ou a alegria de estarmos sendo os melhores amigos dos nossos pais e de todos que cuidam de nós? Vale mais um brinquedo, uma roupa da moda, ou a amizade, a ajuda dos amigos e da família, a descoberta de nossas próprias qualidades? 
 Há coisas que podemos comprar e outras (mais preciosas ainda) que não tem preço. 

O catequista apresenta a folha com as três colunas. Os anúncios serão colados nas duas primeiras colunas e as figuras das pessoas na última: 

Uma história que nos dá bom exemplo 

Vamos pensar um pouco na história do Pinóquio. Gepeto era um fabricante de brinquedos, vivia disso: fazia os brinquedos e vendia. Um brinquedo mais caprichado, com mais recursos, certamente seria mais caro. Gepeto, porém, queria algo muito especial: não queria ser o melhor fabricante de brinquedos do mundo, queria ter um filho para amar. Fez o Pinóquio com muito cuidado, mas só ficou contente de verdade quando o boneco ganhou vida: agora ele poderia lhe trazer muita fama, ele não iria nunca querer vender, porque era amado como algo que não tem preço. O que havia no Pinóquio agora que fazia dele algo tão especial? 
 Esse Gepeto pode nos fazer pensar no nosso Deus. Ele criou muitas coisas, mas ao fazer os seres humanos, pensou neles como filhos a serem amados. Com certeza, toda a criação merece ser bem cuidada, mas as pessoas que Deus tanto ama, e que são também capazes de amar, precisam ter um tratamento especial. 

Quando o tráfico de pessoas leva gente para longe de tudo, não é somente a vida daquela pessoa que está sendo estragada; todo um futuro bom para muitos outros está deixando de existir quando se impede uma pessoa de desenvolver livremente seus dons, de criar coisas boas com liberdade, de cuidar bem daquelas a quem ama. 

Alguém poderia dizer que não tem nada a ver com isso? 

 Quando alguém da nossa família é maltratado, achamos que não temos nada a ver com isso? Somos todos parte de uma família maior de filhos e filhas de Deus. De alguma forma, tudo que é feito a outro ser humano nos atinge. Se alguém acha a dignidade de uma pessoa por ser ignorada, essa pessoa está de fato pondo em perigo a dignidade de todas as pessoas, porque cada exceção vai tomando mais fácil desrespeitar a regra geral. Foi por isso que, há muitos séculos, o filosofo Sêneca já dizia: “Tua casa está em perigo quando a casa do vizinho está em chamas”. Concordamos com Sêneca? Podemos pensar em exemplos que mostrem como a insegurança dos outros que nos atinge? Quando respeitamos o outro, estamos indicando que queremos ser respeitados e estamos ajudando a perceber como esse respeito é importante para todos. 

Leitura Bíblica – Lucas 15, 1-7 
 
 Quem segue Jesus não pode se conformar com a injustiça feita a qualquer pessoa, nenhuma vida pode ser desrespeitada. Quem faz tráfico de pessoas (enganado e escravizando trabalhadores e crianças, transformando relacionamentos sexuais em fonte de lucro) está tratando um ser humano como se fosse uma mercadoria. Jesus nunca iria concordar com isso! 
Para Deus, todos somos amados, especiais e importantes. A Bíblia nos mostra que Ele nos acompanha e nunca desiste de nós.

 

Dá para imaginar como esse Deus, com esses sentimentos de mãe, tem um desgosto enorme 
quando vê gente tratando os outros como mercadorias, escravizando o irmão? 
 
Atividade para casa 
 
Converse com a família sobre o valor do ser humano e fazer algum gesto que mostre que sabemos que as pessoas são preciosas. Exemplo: agradecer o amor que recebemos, fazer uma gentileza para alguém que nos presta serviços. 
 
Oração final encerrando o encontro. 

terça-feira, 14 de janeiro de 2014


  Olá, Povo de Deus!
Seus lindos e abençoados!!!!
O tema da Campanha da Fraternidade 2014 é:Tráfico Humano e Fraternidade, e a Campanha tem como lema: 

É para a liberdade que Cristo nos libertou (Gl. 5,1). 

O Objetivo Geral da Campanha é: “Identificar as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciá-lo como violação da dignidade e da liberdade humana, mobilizando cristãos e a sociedade brasileira para erradicar esse mal, com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus”. 


Nas livrarias católicas já se encontra os livretos com subsídios para encontros de catequese, aulas de ensino fundamental I e  Clique aqui para comprar na editora da CNBB .II, círculo bíblico e outros materiais. 

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Blogagem coletiva - Contra a liberação do aborto de anecéfalos


CONVOCAMOS TODOS BLOGUEIROS E INTERNAUTAS CRISTÃOS, de todas as denominações religiosas, NÃO-CRISTÃOS e TODOS os defensores da vida humana, PARA DIVULGAR E PARTICIPAR DA AÇÃO CONJUNTA CONTRA A LIBERAÇÃO DO ABORTO pelos 11 ministros(as) do STF - Supremo Tribunal Federal 

1 - VIGÍLIA ECUMÊNICA DE ORAÇÃO PRESENCIAL 

Dias 10 e 11.04.2012 - Vigília de Oração Ecumênica em frente ao STF - Supremo Tribunal Federal (a partir das 18:00 horas do dia 10.04.2012 )

Participações de artistas: Elba Ramalho e Nael de Freitas


2 - VIGÍLIA de ORAÇÃO pela VIDA nas DIOCESES CNBB convoca VIGÍLIA de ORAÇÃO pela VIDA em TODAS AS DIOCESES DO BRASIL

Dia 10.04.2012 a partir das 18:00 horas

3 - TWITAÇO VIGÍLIA - #abortonuncamais

A partir das 18:00 horas do dia 10.04.2012, durante toda a noite e durante todo o dia 11.04.2012, até o término do julgamento no STF 


4- FACEBOOK E OUTRAS MÍDIAS

Direito à vida aos anencéfalos - Aborto nunca - Saúde para proteger mulher da morte Materna - 

CPI da VERDADE sobre o ABORTO,JÁ!


5 - ENVIO DE EMAILS 

A partir das 9:00 horas, nos dias 10 e 11.04.2012. até o término do julgamento - envio de emails para os Ministros do STF - Emails dos ministros e TEXTOS abaixo

EMAILS DOS MINISTROS

mgilmar@stf.jus.br, mgilmar@stf.gov.br, 
mcelso@stf.jus.br, mcelso@stf.gov.br, 
marcoaurelio@stf.jus.br, 
gabinete-lewandowski@stf.gov.br, 
anavt@stf.gov.br, anavt@stf.jus.br, 
carlak@stf.gov.br, carlak@stf.jus.br, 
gabminjoaquim@stf.jus.br, gabcob@stf.jus.br, audienciacarmen@stf.jus.br, 
audienciasgilmarmendes@stf.jus.br, 
gabinete-lewandowski@stf.jus.br, 
gabineteluizfux@stf.jus.br, 
gabmtoffoli@stf.jus.br


MODELO n. 01 de TEXTO DE EMAIL PARA OS MINISTROS

"Exmo(a) Senhor(a) Ministro(a) do Supremo Tribunal Federal: 

1 - Não concordo com a a possibilidade do aborto de bebês anencefálicos e cujo julgamento está marcado para o dia 11 de abril. 

2 - A liberação do assassinato de bebês anencéfalos não resolve a principal do problema, apontada pela medicina brasileira: a falta de ácido fólico na época da gestação. Em vez de matar os bebês, melhor será obrigar os governos a dar condição alimentar especial para as gestantes, a partir da fecundação do óvulo. 

3 - A liberação do aborto de anencéfalos fere a dignidade humana, pois o bebê apresenta de fato uma má-formação, porém ele não está em morte cerebral. Seguindo o protocolo de definição de morte cerebral para recém nascidos (que, aliás, apresenta particularidades diferentes do protocolo de adultos) não se chega à conclusão de morte encefálica, pois nenhuma técnica pode preencher as exigências legais para comprovar a morte cerebral de um feto vivo, dentro do útero. Inclusive, é de conhecimento público que a Associação Médica dos E.U.A. suspendeu a autorização de doação de órgãos nestes casos, exatamente por não ser possível diagnosticar a morte cerebral das crianças portadoras de anencefalia durante a gravidez ou depois do nascimento, pelo fato de estarem vivas. 

4- Não existe risco de morte para a gestante. O argumento de que a gestação de fetos com anencefalia é um risco de morte para a mãe não procede com a literatura da Obstetrícia clássica. Os riscos físicos e para o futuro obstétrico da mãe são menores se houver a espera do desenlace natural da gestação, com acompanhamento médico. 

5 - O aborto provocado em qualquer época da gestação é que traz sérios riscos à mãe. Não há base sólida em argumentos médicos e psicológicos para ser solicitada a liberação do aborto no caso de bebês anencefálicos. 

6 - É evidente a ingerência de interesses internacionais na liberação do aborto e no uso político das expectativas dessas mães para chegar a esse objetivo.

7 - Por isso, solicitamos de V. Excia que vote NÃO à interrupção da gravidez de bebês com anencefalia, e SIM ao acompanhamento ALIMENTAR, MÉDICO E PSICOLÓGICO das gestantes, as grandes vítimas dessa CULTURA DA MORTE que pretendem implantar no Brasil, com a ajuda da mais Alta CorteBrasileira. 

Atenciosamente ......."

MODELO N. 02 DE TEXTO DE EMAIL PARA OS MINISTROS:

Excelentíssimos Senhores Ministros do Supremo Tribunal Federal, antes de julgarem a ADPF 54 sobre o aborto dos bebês anencéfalos, peço leiam o que tenho a dizer:

“...Mas, se ergues da justiça a clava forte, Verás que um filho teu não foge à luta, Nem teme, quem te adora, a própria morte...”

Eu, ________________________________________________, venho por meio desta carta manifestar que sou contrário(a) ao aborto em todas as circunstancias, inclusive nos casos em que o feto é portador de anencefalia.
A vida é o maior dom de que dispomos e não compete a ninguém o poder de tirá-la.
Em um Estado Democrático de Direito, é preciso que seja resguardado o primeiro e mais importante Direito Fundamental, o Direito de Viver, sem o qual não se pode obter os demais direitos à saúde, educação, moradia, alimentação e lazer.
Não pode haver justiça numa decisão que opta por retirar a vida de seres inocentes, que se encontram numa situação de tamanha fragilidade como a dos bebes anencéfalos.
É pela vida do bebê e pelo bem-estar da mãe que lutamos.
O Estado deve zelar pelos cuidados para com a gestante e o bebê providenciando o conforto possível e todos os cuidados paliativos cabíveis, de maneira a aliviar o sofrimento. Além disso, devem ser implementadas medidas preventivas (vide art. 198, inc.II da CRFB/88) no sentido de propiciar a ingestão diária de ácido fólico por parte das mulheres em idade fértil, por ser este um meio comprovadamente eficaz de prevenção às malformações do tubo neural, dentre as quais se encontra a anencefalia ou, como mais corretamente denominada meroanencefalia (ausência parcial do encéfalo).
Defendemos que a mãe possa descobrir a importância do seu papel materno no chamado a amar seu filho, mesmo que ele esteja doente ou tenha pouca expectativa de vida.
A vida, mesmo que breve, merece ser vivida com intensidade e amor.
Esta é uma carta de quem ama a vida e luta para que todos tenham vida e a tenham em abundância.
Atenciosamente,
_____________________________________
(Assinatura)

“NÃO TENHO MEDO DO BARULHO DOS MAUS, MAIS ME APAVORA O SILÊNCIO DOS BONS!”

Martin Luther King



Participe! A vida humana não tem religião, tem vida humana!



Envie este email para todos os seus conhecidos, amigos, parentes. 



Seja você também um defensor da vida humana! 



sexta-feira, 9 de março de 2012

Para descontrair... CF2012


Acho q essa imagem é antiga... Pois já estamos assim mesmo... q tristeza!

É muito humilhante saber que não somos bem cuidados por não termos dinheiro... 

Só a fé em Jesus para confortar os que precisam de tratamento e não tem como pagar!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Teatro - Campanha da Fraternidade 2012


Olá turminha de Deus e que gostam de teatro!

O  texto teatral abaixo é do Escritor Emílio Carlos serve  para ser encenado na Missa com jovens e adultos.
O texto fala sobre o tema da CF 2012.
Espero que você goste e encene na sua paróquia.

Paz de Cristo!

O Médico que queria ser jogador de Futebol

Texto teatral CF 2012 -
 de Emílio Carlos


(Sugestão: o narrador ser meio caipira, meio contador de causos)

NARRADOR – Olá. Tudo bem? Hoje eu quero contar pra vocês a história do Marquinhos. O Marquinhos morava no meu bairro. Quando a gente era criança às vezes jogávamos bola num campinho que tinha ali – onde agora tem aquele prédio alto.
O Marquinhos queria ser jogador de futebol. Mas... posso falar a verdade? Ele não tinha o menor jeito pra coisa. Nunca marcava um gol.
Bom, teve uma vez que ele até marcou um gol. Mas foi gol contra. O Marquinhos sempre perdia as bolas que eu passava pra ele. E às vezes até... pisava na bola.
O Marquinhos é filho do Dr. Eliseu, um médico muito bom que fez fama na cidade. O Dr. Eliseu era bom mesmo. Ele olhava pra você e dizia
assim: - Olha, tem que tirar o apêndice. Batata! Podia contar que tinha que tirar mesmo. O que ele dizia era tiro e queda. Pra fazer cirurgia não tinha outro. O Dr. Eliseu fazia cada cirurgia complicada – mas no final tudo dava certo. O povo dizia que o Dr. Eliseu tinha as mãos abençoadas por Deus.
Pois é: um dia o Dr. Eliseu chamou o Marquinhos pra uma conversa de homem pra homem. “Ô Marquinhos” - disse o Dr. Eliseu com aquela voz grossa dele - “já está tudo resolvido, viu? Você vai ser médico”.
O Marquinhos não se conformou. E disse: “Mas pai: eu queria ser jogador de futebol”.
Deixe de besteiras, meu filho. – disse o Dr. Eliseu – Você vai ser médico.
O Marquinhos não gostou disso não. Chorou, emburrou, chiou – baixinho, senão levava um no meio do pé da orelha – e não gostou. Mas... fazer o que? Pra jogador de futebol ele não dava mesmo. E o pai já tinha percebido isso.
O tempo passou, o Marquinhos cresceu e foi fazer faculdade de medicina em outra cidade. Com toda mordomia, hein? Carro novo, casa alugada, comida em restaurante, tudo, tudo, tudo. O Dr. Eliseu pagava tudo pra ele. Ah: e ainda dava 2 mil reais de mesada pro Marquinhos.
Gente: o Marquinhos tava com tudo no balaio. E ele aproveitava, viu?
Mas não pense que ele aproveitava pra estudar não, viu? Ele aproveitava que estava longe do pai e matava aula, bebia, namorava a mulherada... o Marquinhos era de entortar o cano, rapaz!
Tá certo: ele era inteligente. Mas matava aula direto – e daí ele colava. Você já pensou um negócio desses? Colar na faculdade? E ainda por cima colar na faculdade de medicina!? O que que ele aprendia? Já pensou o Marquinhos formado médico? Ia pegar um paciente pra operar aqui o apêndice e zip! Cortava a perna do cara. Ah, você ri, né? Isso porque não é a sua perna, rapaz. (ri) Pensa o que?
Um dia aconteceu: um professor da faculdade pegou o Marquinhos no pulo! Pegou ele colando! Gente: o Marquinhos suou frio. Ficou branquinho, branquinho assim que nem roupa de médico, né? Quase que ele repetiu de ano. E daí resolveu estudar.
O Marquinhos estudou tanto que aprendeu, viu? Pode ficar tranquilo que agora ele não corta sua perna mais, viu? O Marquinhos aprendeu – porém ainda não gostava de medicina. E sabe o que é interessante: é que ele levava jeito pra coisa.
Mas o Marquinhos ficava naquele sonho perdido da infância. Ficava naquela de ser jogador de futebol que não acerta a bola, só faz gol contra, um caso sério. E fazia a medicina de má vontade.
Depois de muito estudar o Marquinhos se formou médico. E virou o Dr.
Marcos. Olha ele aí.


(entra Marcos com jaleco branco e estetoscópio. Do outro lado entram 2 pessoas doentes: um senhor e uma senhora humildes).

NARRADOR – Olha aí os doentes precisando do Dr. Marcos.

SENHOR – Doutor: eu estou com dor.

MARCOS – (com má vontade) Todo mundo tem uma dor...

SENHOR – Eu estou com dor nas costas.

MARCOS – (escrevendo num bloco de notas) Sei... Está aqui a receita.

SENHOR – Doutor: o senhor não vai nem me examinar?

MARCOS – Pra que?

SENHOR – Pra saber o que eu tenho.

MARCOS – Eu sei o que o senhor tem: velhice. Próximo.

(o senhor sai e a senhora se aproxima).

SENHORA – Bom dia, doutor.

MARCOS – Bom dia? Onde?

SENHORA – Eu vim falar com o senhor porque...

MARCOS - ...está com dor.

SENHORA – É.

MARCOS – Eu sabia.

SENHORA – Eu tenho muita dor de...

MARCOS – Sabe: quem está com dor agora sou eu.

SENHORA – O senhor?

MARCOS – É. Dor de cabeça de tanto ver dor.

SENHORA – Mas não foi pra isso que o senhor estudou?

MARCOS – Não. Quer dizer, foi. Ah, eu não sei o que eu estou fazendo aqui? (joga o bloco de notas e a caneta e sai)

SENHORA – (vai atrás dele) Doutor... doutor...

NARRADOR – É, gente: esse é o Dr. Marcos. Ele ganha dinheiro, mas é infeliz. E é infeliz todo dia – não é só hoje não é só hoje não. O sonho de ser jogador de futebol já tinha passado faz tempo. Também com aquela barriguinha dele.. aquele jogador tinha metade dessa barriga e caiu fora.
O Dr. Marcos era infeliz. Olha: eu não conheço ninguém mais infeliz do que ele. Seu único consolo era quando ele dormia. Dormia e não sonhava com nada.

(Marcos entra, se deita e se cobre com o lençol).

NARRADOR – Era um homem sem sonhos, que não se encontrou, que não sabia quem era, que não sabia porque estava aqui. E toda noite era
assim: ele deitava e apagava. Mas nessa noite foi diferente.

(Música. Luz forte em Jesus que entra e vai até Marcos).

JESUS – Marcos.

MARCOS – (se vira na cama)

JESUS – Marcos.

MARCOS – (acorda) O que é?

JESUS – Eu lhe dei um dom, Marcos.

MARCOS – (vê Jesus) O que?

JESUS – Eu lhe dei um dom, Marcos.

MARCOS – (sem entender) Um dom?

JESUS – É, Marcos. Eu lhe dei o dom de curar. O que você está fazendo com ele.

MARCOS – (sem jeito) Bem, eu...

JESUS – Marcos: você está desprezando o dom que eu lhe dei.

MARCOS – (abaixa a cabeça, envergonhado. Coloca o travesseiro na cabeça e chora) Perdão, senhor.

(Jesus sai de cena, mas Marcos não percebe)

MARCOS – Perdão, senhor! (chora, levanta e saiu andando com passos incertos e emocionados) Perdão... Perdão...

(a música ainda soa mais um pouco e depois para).

NARRADOR – Jesus tinha lhe dado o dom de curar. E agora Marcos tinha percebido isso. Essa era a sua missão. Foi o que o Marcos percebeu naquela noite. Ninguém sabe dizer se foi um sonho ou se foi real. Mas uma coisa eu sei dizer: o Marcos mudou da água pro vinho. Ele se transformou. Olha ele agora.

(de um lado entra Marcos, e de outro lado entram o mesmo senhor e a mesma senhora).

MARCOS – (educado e gentil) Quem é o primeiro?

SENHORA – Sou eu, doutor.

MARCOS – Bom dia, dona Romina! Em que posso lhe ajudar hoje?

SENHORA – É aquela dor, doutor. Está doendo mesmo.

MARCOS – Calma, dona Romina. Nós vamos resolver isso num instante.

SENHORA – Obrigada, doutor.

NARRADOR – É: o Marcos mudou mesmo. E hoje é o médico mais querido do hospital. Todos os pacientes gostam dele. É que o Marcos descobriu sua vocação.
A saúde é feita de médicos, enfermeiros e funcionários dos hospitais.
E também é feita pelos governos. O prefeito, o governador e o presidente são eleitos para cuidar da população. A saúde é responsabilidade de todos eles. É preciso cuidar da saúde do nosso povo – especialmente dos mais necessitados. Todos tem direito à saúde de boa qualidade.
Quer uma dica: a eleição está aí. Preste bem atenção nas propostas dos candidatos. Analise quem trata a saúde com seriedade, quem tem boas propostas, pra depois você voltar. Olha: voto não tem volta: votou tá votado. Então muito cuidado ao escolher quem vai cuidar da nossa cidade nos próximos 4 anos. Ele é comprometido com a saúde? Tem propostas sérias?
E não é só votar não, viu? Depois tem que cobrar. O “cabra” fala bonito, se elege e depois some? Não senhor! Tem que cumprir o que prometeu pro povo. Saúde é coisa séria. A saúde pública é coisa mais séria ainda. E que a saúde se difunda por toda a terra! Com a graça de Deus!

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Campanha da Fraternidade 2012



A Igreja no Brasil, enfrenta e percebe a necessidade de voltar às fontes e recomeçar a partir de Jesus Cristo.

Toda ação eclesial brota d’Ele e se volta para Ele e para o Reino do Pai. No contexto eclesial, não há como empreender ações pastorais sem nos colocarmos diante de Jesus Cristo.

Essa perspectiva norteia as novas Diretrizes Gerais da Ação Pastoral. Ela é condição para que, na Igreja, aconteça uma conversão pastoral que a coloque em estado permanente de missão, com o advento de inúmeros discípulos missionários, enraizados em critérios sólidos para ver, julgar e agir no enfrentamento dos problemas concretos e urgentes da vida de nosso povo.
Campanha da Fraternidade, celebrada na quaresma, intensifica o convite à conversão. Ela contribui para  alargar o horizonte da vivência da fé.

Neste ano, o tema proposto é Fraternidade e Saúde Pública, com o lema: Que a Saúde se Difunda sobre a Terra (cf. Eclo 38, 8).
A saúde integral é o que mais se deseja. Há muito tempo, ela vem sendo considerada a principal preocupação e pauta reivindicatória da população brasileira no campo das políticas públicas.

Entendendo ser um atendimento de saúde digno e de qualidade, um anseio da população, especialmente da mais carente, a Campanha da Fraternidade 2012 aborda o tema da saúde conforme os objetivos a seguir propostos.


Objetivo geral
Refletir a realidade da saúde no Brasil em vista de uma vida saudável, suscitando o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos enfermos e mobilizando a população para que busque a melhoria no sistema público de saúde.


Objetivos específicos
  • Disseminar o conceito de bem viver e sensibilizar para a prática de hábitos de vida saudáveis.
  • Sensibilizar as pessoas para o serviço aos enfermos, o suprimento de suas necessidades e a integração na comunidade.
  • Alertar para a importância da organização da Pastoral da Saúde nas comunidades: criar onde não existe, fortalecer onde está incipiente e dinamizá-la onde já existe.
  • Difundir dados sobre a realidade da saúde no Brasil e seus desafios, como sua estreita relação com os aspectos socioculturais de nossa sociedade.
  • Despertar nas comunidades a discussão sobre a realidade da saúde pública, visando à defesa do SUS e à reivindicação do seu justo financiamento.
  • Qualificar a comunidade para acompanhar as ações da gestão pública e exigir a aplicação dos recursos públicos com transparência, especialmente na saúde.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Vídeos de músicas sobre Cura!

Jesus, o médico de todos nós! 

Povo de Deus que por aqui passa, se lembrarem de outros vídeos deixem os links.

Quem gosta de rezar cantando? Euuuuu! rsrsrsrs





quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Versículos sobre Saúde

Olá, Povo de Deus!

Já devem ter percebido que dediquei essa semana ao tema da Campanha da Fraternidade 2012, né?

Preparei essas imagens com alguns versículos que muito nos falam.
Espero que gostem!

Até amanhã se Deus quiser!







segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Campanha da Fraternidade 2012 - Soro Caseiro


See full size image
Contribuições da Igreja no Brasil para Saúde Pública

Em 2010, o índice de mortalidade infantil entre as crianças assistidas pela a Pastoral da Criança, foi de 9,5 mortes para cada 1000 crianças nascidas vivas, quase a metade da média nacional. Fé e solidariedade são grandes e importantes instrumentos que a Igreja no Brasil se apropria para ajudar o povo carente.

E saibam que uma das razões da significativa redução da mortalidade infantil, entre as crianças atendidas pela Pastoral da Criança,  é o trabalho solidário e contínuo de inúmeros voluntários na promoção de ações básicas de saúde. 
Dentre elas, salienta-se a campanha de incentivo à utilização do soro caseiro.

E você sabe preparar? Já utilizou?
Eu já! Dava sempre aos meus filhos quando eram pequenos... 

Passe esse conhecimento também para as crianças!
Que tal no encontro sobre a CF você preparar o soro e deixar que as crianças experimentem? E exaltem o quanto é importante o soro em casos em que a desidratação pode levar a morte!

Este post é dedicado a minha prima Geiza Pinheiro que fez um
 lindo trabalho na Pastoral da Criança em 2011.



sábado, 21 de janeiro de 2012

Campanha da Fraternidade 2012 - Atividades


"Que a saúde se difunda sobre a terra” (cf. Eclo 38,8)
 Este é o verso central de uma coleção de ditos populares sobre saúde e a missão dos profissionais que ajudam a preservá-la.
O texto sugere que Deus colabora com a humanidade na cura das doenças, dispondo os meios necessários para a cura.



Campanha da Fraternidade 2012


Povo de Deus!

Este ano o objetivo geral da Campanha da Fraternidade é:

"Refletir sobre a realidade da saúde no Brasil em vista de uma vida saudável, suscitando o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos enfermos e mobilizar por melhoria no sistema público de saúde."


Nós somos convidados por Jesus a assumir essa tarefa de evangelização em favor da vida e da saúde pública em nosso país.

Depois de refletir... deixo essa frase para  você meditar:

 O que é saúde?

Alguns pensarão simplesmente na ausência de doenças ou de sintomas desagradáveis, outros pensarão na harmônia entre corpo e mente, outros na saúde coletiva...

Deixo esta atividade para que possamos inserir esse tema em nossos encontros.  
Vamos levar as crianças a realizarem gestos concretos em prol da saúde própria e do próximo também.


Paz de Cristo!


quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Compre o Livrinho Encontros Catequéticos CF 2012

Então povo de Deus, se vocês como eu moram longe das grandes livrarias católicas, comprem através da internet! Esse subsídio irá enriquecer a catequese em sua paróquia!


Se você também é professor tem Livrinhos para serem trabalhados no Ensino Fundamental I e Fundamental II.
Clique na imagem e vá para a loja online da CNBB.